segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

No dia que escurece
Antes que chova
É noite.
Grafite é arte,
pixo é manifesto
de não pertencimento,
onde eu marco aquilo
que é meu aos olhos,
mas não é meu em sentimento.
Grafite é arte, pixo é desprezo.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

A briga termina se alguém desiste de brigar.
O amor passado
passa
muito bem.
Amassado
vai meu coração.
Rezo pra São Paulo e peço,
mas ele não me atende.
Entendo que tem nome de santo,
mas é de concreto o barro.
Sua sinfonia é da construção.
Não tem conversa.
Antes da chuva,
as roupas recolhidas,
Janelas fechadas.

A chuva cai,
a energia cessa,
o pensamento começa.
Você com você.

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Reza a lenda
Que o Sol não dorme,

Gira na cama
e ilumina o lado de lá

Que ascende a luz.

O Sol, que vive aceso,
Sofre de insônia
por uma esperança desmedida
 que não se apaga.
Olhe nos olhos,
Encoste o peito no peito,
Deixe os corações baterem de perto.
Renda-se a um abraço.
O saíra-sete-cores
é um bravio,
que voa e vai
sem perder-se
 no mau tempo.

Faz da sua casa,
a mata,
seus sete guias.
O ninho para o saíra
 é uma conquista.
Da ave saíra,
 que não leva
a revoada no bico.
O índio vê a terra,
mas a Terra não vê o índio.
Os ossinhos das costas,
a pele em volta
e a mão que nos toca.
Vai e insiste,
Com quem está triste.
Chove tanto pra todo lado, chove no molhado.
Eu não gosto de fofoca, prefiro ler biografias.
Tens as tardes,
Tens as noites,
Tens os dias.
As manhãs, e outras maravilhas.
A maior graça da vida é não saber como ela termina.
Contente é quem perto chega.
Feliz é quem chega.
Levante as laterais do rosto 
com um sorriso.
Sincero,
Sem jeito,
Preciso.
Só não vale ser falso,
Ou maldoso.
Só isso.
Dê um sorriso.
A janela é antiga
Das que tem dobradiças,
E fazem barulhão ao fechar.
É nela que vejo você passar.
A gente tem que
querer bem
quem
nos quer
bem...
se bem que,
se não querer
tudo bem!
Deixa eu sonhar,
Que sonhar não 
me custa nada.
Todos os inícios,
todos sacrifícios,
todas as promessas,
todos os vícios,
fogos de artifício,
todos os nasceres de sol,
a chuva de março
que sempre cai antes,
em
janeiro.
Eu te amo fora do funk,
Que eu não pago pau.
A cigarra erra
Quando canta
sozinha.
Para sempre
Os primeiros instantes 
em que estamos nos apaixonando.
O mundo tem um antes,
E outro depois.
É no início,
Que os sonhos são frescos,
De pegar em pés suculentos.
É no fim, que terminam os pesadelos
E a boa nova encomenda botas de muitas léguas para que ninguém desista,
De sua lista.
É por saber por último,
Que o coração bate atrasado.
E passa 
pra quem viveu,
até aqui,
mais um ano.
A vida com graça,
Cheia de planos.
Sabe os sonhos que não deram certo? Querem sempre estar por perto. É melhor deixá-los ir.
Uma vontade 
Forma buraquinhos para um
bordado bem bonito.
Uma vontade que passa,
Pretexto para serem amigos.
Você ganhou na loteria, 200 milhões, mas agora precisa disfarçar. Coloca uma peruca e óculos escuros e se apresenta com o bilhete do prêmio na Caixa. Até aí tudo bem. Durante 24 horas, só teve a ideia pobre de morar num condomínio fechado, e comprar um condomínio na praia, e como distribuir uma parte da fortuna entre os parentes, desde que guardassem segredo, coisa impossível. Não dormiu, sua vida virou um pesadelo. Acordou, ainda bem que era um sonho.
Desaparecido em 2016, o amor foi encontrado em banca de jornal, numa manhã ensolarada de 2017, mas não foi reconhecido.
Só depois.
Aplausos, não.
Tempestade.
Muito que se fala,
nunca se falou tanto
a palavra.
Encontrar a pulsação,
pressionar no pulso o dedão, 
achar o lugar da vida.
Hoje passei por uma dessas inúmeras mesas de amigo secreto, numa lanchonete da Paulista. Chamou-me a atenção que as garotas movimentavam-se inclinadas ao celular, gesticulavam ao celular, sorriam ao celular, chamavam a vez do presente ao celular. Fiquei na dúvida se estavam ali.
Verão mais de mim no inverno.
Raios,
veias do céu.
Esqueça os dias em que o ano passa. Dias sem passado e sem futuro. Presentes.
Eu deixo minhas palavras
soltas, assim elas caem 
no peito e formam um sutiã de todo gênero,
bem
reforçado,
pra segurar um coração
assim,
assado.
A gente não tem certeza de nada, mas tem fé.

domingo, 22 de janeiro de 2017

Com amor tudo 
é mais caro.
Sem amor tudo é mais barato.
Suspense é saber 
o que eu penso.
Um povo 
Um desgoverno
Uma história triste.
Quem mastiga bem não engole espinho.
Escrever deveria ser
jogar farol no que se lê,
abrir um pergaminho nas páginas,
ajudar a enxergar quem não pode 
ter livre o livre arbítrio dos livros.
Escrever poderia ser
receita de dar bolo na tristeza.
Escrever poderia não ferir,
escrever sem derrubar aviões,
empurrar barquinhos de papel no balde,
desmanchando embarcações no céu,
salva-pipas das linhas de alta tensão no chão.
Um dia, e muitas noites,
a gente volta segurando a bola,
a gente solta o coração
e aprende a ler a mão do irmão.

Estava aqui na espera,
me deu saudade
de quem eu era,
mais ou menos assim.
Abra os braços 
e faça
um horizonte.
A crise financeira não é páreo para a crise moral.
A coceirinha na vista,
não foi cisco,
foi vontade de chorar.
Para poeta 
que se vai.
Bem-me-viu
Cicatrizes,
pequenas luzes distorcidas
que marcam a pele de quem
a vida corta.
Por quem meus olhos dançam?
Não conto, perde o encanto.
Um livro só vai ser bom, se você der a chance de dançar com ele.
Intuição é o "eu te disse",
que muita gente não ouve.
Deixe os sinais e as coincidências,
 troque pela atenção plena, 
é assim que a intuição funciona.
Perde quem esquece.
Ao nascer a morte é feia
Na metade da vida é que a morte
fica mais bonita.
No final, chega com uma beleza estranha.
Mas é na surpresa que a morte surge
linda e estúpida.
Espero a esperança, sentada,
que de pé cansa a esperança.
Salgadinho,
pedaço de bolo,
guaraná,
brigadeiro.
Sede de água.
Há alguma coisa boa escondida
nas coincidências.
Nas reticências.

Most
Um poema compreendido
é um beijo proibido.
Faz tempo que não
falo de amor.
É que o amor 
não tem falado
de mim.
Tristeza tem
uma atenção miúda.

Para ver a tristeza
precisa
ter o olho grande,
a mão delicada,
e o pensar apurado
da alegria.

A tristeza leva a alegria no papo.

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

Ele pedia
 um relacionamento aberto,
Ela fingia e assistia de perto.
Ela o amava, mas tamanha abertura era tortura.
E o amor que ela tinha se fechou.

domingo, 8 de janeiro de 2017

Como existe outra,
várias finitudes,
muitos mundos,
cheios de recomeços.
Faça de conta que é uma lenda,
esqueça a legenda,
e simplesmente viva!
Sabe essas travessas,
que toda gente passa?
Vi meu coração pedindo licença.
Felicidade é diploma
de quem passou
pela contrariedade.

Logo mais é domingo,
mas dormindo é sábado.
Se você brinca com a ilusão,
a ilusão brinca com você.
"Eu sei lidar com estas palavras,
não existem outras." 
Evandro Afonso Ferreira
Na ausência dela,
os cachos largos 
que caem nos ombros,
a pele branca
que assusta o Sol.
vida meia,
que eu calço.
vida meia fica inteira,
que não piso em falso.

Estilingue

Laços elásticos se espalharam no espaço,
colaram no encalço, 
pisaram em falso,
fizeram no alvo um ponto cruz.

O garoto que segurava
assustado com a pedra plumada,
não entendeu nada,
não quer mais brincar
de estrela voar de cair.
A gente escreve tudo igual,
apenas trocamos uma palavra
ou outra de lugar,
com uma grafia 
sabidamente errada.
A natureza 
avisa quem chega.
Importado,
o valor bordado 
no peito.
Que veio de fora
e toca aqui dentro.

pesadelo

este rascunho medonho

que não sendo
sonhava em sê-lo

acordar

 foi pesadelo.
Nas facilidades o mundo é o lugar melhor do mundo. Na primeira dificuldade vamos do sonho para o pesadelo. Então, nem uma coisa, nem outra, acordamos para a realidade.