sábado, 27 de maio de 2017

As pessoas não querem conselhos, querem ser ouvidas.
Você apaga, desiste de um poema, mas o texto não morre, vai nascer em outra pessoa, outro gênero, número e grau.

quinta-feira, 25 de maio de 2017

A declaração de amor
recebida,
em segredo,
encaminho,
cheia de dedos,
com flores de maio,
para outro endereço.
Aproveito a deixa,
economizo latim,
e aguardo a resposta
que não tive
pra mim.
Estão espalhados pelo Centro,
com seus panos e mantas cinzas.
Unhas e peles encardidas, cinzas.
Estão pedindo comida ao invés de pedra.
Cinza.

terça-feira, 23 de maio de 2017

A melancia cortada na banca da calçada,
na esquina paulistana.
O cheiro se mistura ao vento frio.
Do outro lado do Centro, 
homens correm feito ratos, contra o vento.
A felicidade não pode ser plena,
enquanto pessoas estão sofrendo.
Eu não preciso estar apaixonada pra escrever sobre amor. Eu apenas preciso estar viva.
Ganhar duas caronas de guarda-chuva no mesmo dia é muito Sol!