quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Continuamos como está,
você na terra,
eu no mar.
Dá um fora quem não
está por dentro,
quem está distraído
ou sem bom senso.
A porta que fecha pra procurar a porta que se abre com vista para o horizonte.
Estou feliz,
quadra de futebol de areia perto do mar,
Sol se pondo
atrás de mim.
A presença é um presente sem embrulho.
Pra cada porta que se fecha, um buraco de fechadura.
Eu quero ser dona do meu tempo. Comprei um relógio, mas ainda não dei conta. Fiz uma agenda. Uso cronômetro. Conto os passos. Respiro com profundidade. Corro. 
Mas o tempo não é de ninguém, quer um relacionamento aberto
com a vida. E quem quiser que fique na fila!